Lobo

 

Lobo é uma série mensal, da qual escrevi os primeiros oito capítulos (a
série atualmente é escrita por Lúcio Luiz, criador do ótimo site Lobo Brasil).
Lobo é um personagem crfiado para a DC Comics pelo genial Keith Giffen,
em 1983. Trata-se de um mercenário, assassino e caçador de recompensas
intergaláctico, único sobrevivente de seu planeta (ele matou todos os
outros habitantes). Em dialeto khúndio, “Lobo” quer dizer “aquele que
devora suas entranhas e depois arrota”. Escroto, arrogante, extremamente
baixo, desbocado, fã de heavy metal, invencível, imortal e com um
ridiculamente extenso poder de cura, o único ponto fraco deste
mercenário é a sua honra: ele jamais falta a uma promessa.

Minha
versão da série Lobo é uma tentativa absurda de mesclar influências como
o humor histriônico de Keith Giffen, as idéias psicodélicas de Grant
Morrison, o clima grandioso e cósmico dos quadrinhos de Jack Kirby e
mitologia nórdica. Leia para ver se funcionou. Ficção científica e
humor, cabecices e escrotices lado a lado, para fãs de quadrinhos e FC.

LOBO
(Página inicial, apresentando o “Maioral”)

Lobo 1 – Purple Haze
Lobo 2 – Space Oddity
Lobo 3 – Riders On The Storm
Lobo 4 – Stairway to Heaven
Lobo 5 – Dark Side of The Moon
Lobo 6 – Cê Tá Pensando Que Eu Sou Loki, Bicho?
Lobo 7 – El Justiciero Cha Cha Cha
Lobo 8 – Anarchy in the UK
(Estas
oito primeiras edições compõem o arco “Kundalini Express”; Lobo é pago
para descobrir a entrada para a Kundalini e matar a própria Eternidade, o
ser que é o próprio universo. Participações mais do que especiais de
Galactus; Darkseid; Odin; Mangog; Balder, o Bravo; Piratas Siderais;
Ciclope, dos X-Men; Intermediário; dos magníficos genengenheiros do
G.E.N.O.M.A.; e de Coprofax, o novo arauto de Galactus que é o elemental
do cocô. Um esquisitíssimo encontro da bizarrice de Grant Morrison, da
grandiosidade de Jack Kirby e da hippice de Jim Starlin com a escrotidão
do Lobo. E de brinde: a morte de dois mutantes ridículos criados pelo
medonho Rob Liefeld).