Tuesday, August 3, 2004 at 04:34 AM

Infelizmente, meu pai faleceu hoje, aos 57 anos, a uma e meia da manhã. Estarei fora do ar (em mais de um sentido) pelos próximos dias.

Comments via e-mail

De uma hora pra outra, o sistema de comments deixou de me avisar dos novos comentários por e-mail. Ou isso ou meu e-mail passou a deletar os avisos como se fossem spam. Com isso, só hoje vi os novos comentários de figuras como a DaniCast.

E eu achando que não tinha mais ninguém comentando. Viu, não se pode confiar nos e-mails!

Hypervoid

O Hypervoid está fora do ar desde ontem, por problemas com o servidor do Weblogs.us. Todos os blogs hospedados lá e a página principal deles estão inacessíveis. Parece que estão resolvendo o problema e em breve tudo estará normal. De qualquer forma, tenho o backup do Hypervoid, então não estou preocupado.

Os outros sites (McQueen, HyperPOP!, Chip Totec, etc) continuam no ar normalmente, pois não ficam no Weblogs.us.

Spammers

Putz, o Hypervoid foi atacado esses dias pelos porn spammers, que postaram mais de 60 (!!) comentários em posts aleatórios com links e anúncios para sites de incesto, bestialismo e essas merdas. Um porre, tive que deletar na mão um por um dessas merdas, porque os caras usam IP não-fixo. Mas tô bloqueando todos os IPs que eles usam, um dia vão acabar as opções deles. E como o pessoal do Weblogs.us, que hospeda o Hypervoid, é simplesmente o máximo, já criaram um treco que deleta automaticamente spams cujos IPs sejam postados lá no fórum deles. São tão gente boa e prestativos que nem parece que o treco é de graça.

Ah, queria saber como funciona o cérebro de um spammer. Ele acha MESMO que isso dá resultados?

No babaquices allowed

É que com tudo que tem acontecido na minha vida de uns meses pra cá (e principalmente este mês) não dá mais pra perder tempo com babaquice. Isso inclui várias coisas: hábitos babacas, trabalhar de graça, algumas pessoas babacas, me impôr rotinas das quais na verdade não gosto e as quais não vão me levar a nada. Não adianta, não consigo mais escrever notinhas e notícias: ficção e ensaios são a minha praia, mesmo, as únicas coisas que me dão prazer escrever. E, sinceramente: tô começando a perceber que é melhor falar menos e contar menos o que eu sei para os outros. A informação pode querer ser livre, mas não através de mim.

Foco é o segredo: escrever, escrever e escrever. Ficção, quero dizer. E não-ficção, mas em textos longos, mais bem pensados, de forma que permita treinar meu estilo, não apenas mandar um malote de “notícias” para uma multidão faceless. Algumas coisas fazem você se obrigar a dar mais atenção ao que lhe é realmente caro, sejam metas de vida, hábitos, pessoas, lugares e objetos. Escrever é muito importante para mim, mas não mais notícias. Na verdade estou com pouquíssima paciência para muitas coisas. Mas o bom é que elas não me irritam mais, simplesmente não tomo conhecimento.

Information wants to be paid

A newsletter HyperPOP! foi definitivamente detonada. Nah, cansei de reunir informações e passar notícias, links, etc. Existem sites aos montes que fazem isso. A resposta à newsletter foi bem razoável, mas escrever notícias é algo muito chato. Cansei de informar, quero confundir. E preciso me cuidar, pois vivo perdendo o foco principal: escrever ficção, fazer músicas e tentar ganhar dinheiro.

Essas são as coisas que gosto de fazer. Quero ser a vidraça, não a pedra. Bom, foi divertido (mas não muito) enquanto durou, mas serviu pra me mostrar que, realmente, não tenho mais o menor saco para ser jornalista. Xô.

Vou aproveitar o site HyperPOP! para sua função original: textos longos sobre games (principalmente, porque games são o território dos analfas, injustamente), quadrinhos e música esquisita. Mas a essa altura da minha vida não dá mais pra mandar informações semanais de graça.

Pain… Oh, the pain…

Acordado com dor de dente. Que merda. Acho que o filho da puta do dentista deixou um nervo dentro do canal que ele tratou e fechou há cerca de uns dois meses. Como se não bastasse ele ser parecido com o George W. Bush.
O jeito é visitar estes sites de mitologia comparada aqui (não consigo me concentrar, com a dor, para ler o “É Fácil Matar”, da tia Agatha.

Mas parece que está passando agora, com o Ponstan.

Reviravolta

Ontem (terça-feira) pela manhã, meu pai havia recebido alta do Hospital São Lucas e estava se preparando para sair do quarto, já vestido, quando algo aconteceu. Teve uma parada cardíaca e uma suspeita de embolia (felizmente não confirmada). Resultado: teve que voltar para a sala de Hemodinâmica e fazer um cateterismo seguido de angioplastia. Agora está novamente na UCI, cheio de tubos. Foi um dia terrível: minha mãe havia ido buscá-lo no Hospital e eu achei que estava tudo bem, até que ela me ligou contando o que havia acontecido.
Resultado: corri pra lá (eram cerca de 11 da manhã) e fiquei em tensa expectativa pelos corredores do hospital, aguardando notícias, até às 10 da noite. O médico cardiologista da noite disse que aparentemente tudo voltou à estaca zero, como ele estava há 18 dias atrás.
Já pedi para todo mundo que conheço lá em cima.

Não sei como algo pode dar uma guinada tão radical assim, na direção contrária. E estranho como a coisa aconteceu: ele estava vestido para sair, sentado na cama do quarto da enfermaria. Minha mãe havia ido com os enfermeiros até a recepção, no mesmo andar, para cuidar da liberação dele, da alta, etc. Nesses meros um ou dois minutos em que ficou no quarto, ele teve a parada cardíaca. É aí que entra a sorte suprema: uma faxineira do hospital entrou no quarto e o encontrou caído no chão, com o corpo duro e gelado e a pele roxa. Gritou pelos médicos, que foram em massa correndo até lá e conseguiram ressuscitá-lo. Se essa moça não tivesse ido até o quarto naquela hora, não sei o que teria acontecido. Falei com ela ontem à tarde e ela, muito humilde e boazinha, me disse que um dos médicos havia acabado de dizer a ela que “o paciente do 619 (meu pai) havia acabado de ter alta”. Ela achou que ele ainda não soubesse e foi até lá avisá-lo disso, porque “ele era muito bonzinho e educado”. Se ela não tivesse pensado nisso e tivesse seguido a ordem normal de limpeza dos quartos, teria chegado no 619 apenas uns 15 minutos depois, porque é o último quarto do corredor na ordem de limpeza. E esses minutos a mais teriam feito muita diferença. Ela realmente esteve ali enviada por Ganesh.

Bom, volto novamente para o compasso de espera. E justamente quando achei que estava tudo mais ou menos resolvido.

Filho de Shiva e Parvati

E faço questão de agradecer em público ao Rodolfo Polino, que fez a extrema gentileza de me enviar pelos Correios cópias das páginas de um livro sobre deuses, com o capítulo dedicado a Ganesh. Obrigado, cara; ali tem coisas bem legais sobre o mito de Ganesh, além de exemplos e instruções de invocação e meditação que me têm sido muito úteis.

Melhoras

O mais fantástico é que a septicemia que haviam diagnosticado em meu pai simplesmente desapareceu. As colheitas de sangue e de cultura deram resultados negativos. Ótima notícia, claro – e prova que as coisas mais espantosas podem acontecer quando se quer com vontade e se pede para o lado certo.