July 12, 2017 at 06:27PM

Reparem só: em 90% das vezes e não importando qual o tema, uma tentativa de iniciar uma conversa é imediatamente respondida com uma opinião. E uma opinião taxativa. Quando isso começou? Tem alguns anos, mas é coisa pós-web 2.0.
Opinem 😛

July 12, 2017 at 05:47PM

Ué, caceta, claro que eu sou pretensioso. Se não fosse não tentaria escrever ou fazer música. Ficaria em casa vendo Friends e pintando o rodapé de branco-gelo.

July 11, 2017 at 07:46PM

Elementary está de volta ao Netflix! <3

July 11, 2017 at 07:41PM

Não tem livraria no Aeroporto Santos Dumont. O treco foi renovado há poucos anos, para a Copa/Olimpíadas. Passou por expansão, ganhou uma ala chamada “Bossa Nova Mall”. Tem Osklen, Sobral e McDonald’s. Tem Subway, Samsonite e Burger King. Tem umas merdas pseudochics. Mas não tem livraria. Qualquer aeroporto tem livraria, são das poucas que sobrevivem muito bem, graças aos thrillers e romances policiais. Menos no Rio. Aqui pelo jeito passa-se o tempo esfregando polegar em tela de rolagem de rede social. Retrato do Brasil.

July 10, 2017 at 08:00PM

Kill the cliché. When you’re writing, anything you’ve ever heard or read before is a cliché. They can be combinations of words: Cold sweat. Fire-engine red, or phrases: on the same page, level playing field, or metaphors: big as a house. So quiet you could hear a pin drop. Sometimes things themselves are cliches: fuzzy dice, pink flamingo lawn ornaments, long blonde hair. Just keep asking yourself, “Honestly, have I ever seen this before?” Even if Shakespeare wrote it, or Virginia Woolf, it’s a cliché. You’re a writer and you have to invent it from scratch, all by yourself. That’s why writing is a lot of work, and demands unflinching honesty.
– JANET FITCH

July 10, 2017 at 07:58PM

There’s a thing I say: as writers of fiction, we speculate on the available information and test out futures from the broad weatherfront of possibilities in front of us, acting as early warning stations for the culture.
Of course, we can’t make anyone listen to us. And, in the famous phrase, there are always unknown unknowns that nobody sees coming.
– Warren Elis

July 06, 2017 at 11:41PM

Como é que eu posso ter certeza de que essas pessoas na rua não são NPCs se eu não clicar na barriga delas pra ver quais diálogos aparecem?

July 06, 2017 at 11:15PM

E essas matérias clickbait em forma de listas?
Daqui a pouco chegam às páginas policiais: “Cinco mortos em tiroteio com a PM; o terceiro deles vai deixar você de boca aberta”.

July 06, 2017 at 11:11PM

History is about life. It’s awful when the life is squeezed out of it and there’s no flavor left, no uncertainties, no horsing around. It always disturbed me how many biographers never gave their subjects a chance to eat. You can tell a lot about people by how they eat, what they eat, and what kind of table manners they have.
DAVID McCULLOUGH

July 06, 2017 at 09:58PM

RIP Joan Lee.
Morreu aos 93 anos a mulher de Stan Lee, com quem ele casado há 70 anos. Sem Joan, é bem provável que a Marvel não existiria. Quando Lee pensou em pedir demissão da editora que se tornaria a Marvel, em 1961, para virar romancista, ela sugeriu a ele na véspera: “já que você quer pedir demissão mesmo, não tem nada a perder, porque não escreve os quadrinhos que realmente quer escrever? Aplique aos quadrinhos a mesma vontade autoral que você quer aplicar aos seus romances. O máximo que podem fazer é te demitir”.
No dia seguinte, Lee criou o Quarteto Fantástico e, assim, a Marvel.
Joan Lee é co-criadora de todo o universo Marvel.