July 18, 2017 at 11:39PM

Um absurdo dizer que os políticos brasileiros são vendidos. Venda é definitiva. Eles são alugados.

July 18, 2017 at 03:37PM

My work accrues sentence by sentence. After an initial phase of sitting patiently, not so patiently, struggling to locate them, to pin them down, they begin arriving, fully formed in my brain. I tend to hear them as I am drifting off to sleep. They are spoken to me, I’m not sure by whom. By myself, I know, though the source feels independent, recondite, especially at the start. The light will be turned on, a sentence or two will be hastily scribbled on a scrap of paper, carried upstairs to the manuscript in the morning. I hear sentences as I’m staring out the window, or chopping vegetables, or waiting on a subway platform alone. They are pieces of a jigsaw puzzle, handed to me in no particular order, with no discernible logic. I only sense that they are part of the thing.
– JHUMPA LAHIRI

July 17, 2017 at 01:37PM

George Romero não “revolucionou” um gênero. Ele criou este gênero. Antes dele não existiam zumbis canibais. Assim como Bram Stoker e Dr’acula, Mary Shelley e Frankenstein, Lon Chaney e o lobisomem moderno, Romero é o criador dos zumbis. Brains, galera. Braaaains.

July 17, 2017 at 01:35PM

Muito triste a morte de George Romero, aos 77 anos, vítima de câncer. E a de Martin Landau, aos 89. Mas parem com isso de “já começou 2017”, etc, como se existisse uma conspiração c’osmica onde os anos disputam quem mata mais gente. Assim como meu querido David Bowie, ano passado, essas pessoas já eram idosas. Infelizmente pessoas acima dos 70 tendem a morrer, foi mal aí. Essa falta de intimidade com a morte me irrita.

July 17, 2017 at 01:26PM

One of the ways that drinking is bad for a writer—it’s bad for a carpenter, too—but it’s bad for a writer because it erases your most important quality, your memory. We’re the rememberers of the tribe. That’s what the tribe hires us for.
– PETE HAMILL

July 13, 2017 at 06:30PM

Foda-se o “Dia Mundial do Rock”. Como respeitar uma data chapa branca para um gênero musical que há muito virou trilha sonora para homem branco hetero reaça? Os dias de Jerry Lee Lewis, Velvet Underground, PiL e Mudhoney acabaram. Virou trilha de comercial da AT&T, move on.

July 12, 2017 at 10:16PM

No fim das contas, Lula entra para a História como uma espécie de Mojica ao contrário: ao invés de ter pouco, ele se suja por pouco.
Bem, relativamente pouco, né? Porque ninguém anda por aí ganhando dois milhões de bobeira, mas enfim.
Moral da História: ou você é realmente incorruptível, acusa os corruptos e usa isso como cacife político, com a ajuda da força do apoio popular e se mantém assim, na corda bamba da governabilidade e fazendo o que pode; ou você é corrupto e se vende de vez para as empreiteiras, agronegociantes e afins. O que não tem como dar certo é você manter o discurso de incorruptível, acusar os corruptos E se vender para estes mesmos corruptos. Tipo, dã.
Desculpe, Lula, mas no final, ao contrário do que você batia no peito, você não ter estudado foi uma merda.

July 12, 2017 at 09:21PM

Tô pra ver ainda alguma ação de Julian Assange que não tenha beneficiado muito mais a direita (quando não apenas ela).

July 12, 2017 at 08:54PM

Apesar de ser anarquista e ter sempre acreditado no anarquismo como opção, quando a coisa aperta e vejo como essa escolha ainda é distante e (até certo ponto) utópica, voto na esquerda. Votei no Lula contra o Collor no segundo turno (no primeiro votei em Roberto Freire, então no PCB e com um discurso de fazer chorar a versão Mundo Bizarro atual dele); votei em Brizola umas duas vezes; votei no Lula de novo contra FHC; votei no Lula mais uma vez na eleição em que ele virou presidente. E aí, apesar do acerto que foi o Bolsa Família, nunca mais votei no PT (e nunca mais farei isso). Não votei em ninguém na eleição para o segundo mandato de Lula e anulei para não votar na Dilma (não votei em Marina porque evangélicos).
É incrível como o Brasil caiu em tão pouco tempo. Pode-se culpar um monte de gente. Pode-se culpar o PT, por ter feito asneiras como essas alianças todas (tá, não precisam comentar cinicamente sobre o tal pragmatismo político; vejam no que deu isso), por Belo Monte, por massacrar as demais esquerdas. Pode-se culpar os eleitores do PT, por não terem visto a cara do Temer na tela da urna, em um país que já nos pariu vices como Sarney e Itamar. Pode-se culpar a nossa colonização predatória, o coronelismo que se espraia até hoje. Pode-se culpar o sistema educacional falido. Pode-se culpar os paneleiros e a MBL, os palhaços pessoais da Fiesp.
Eu, pessoalmente, culpo dois grupos: culpo os militares e a asneira que foi a tal anistia ampla, geral e irrestrita, que manteve os cadáveres e espectros da ditadura andando por aí, ganhando força até virar o bozonazismo atual; e culpo quem chamou os manifestantes de 2013 de vândalos. Sim, acho que foi em 1964 e em 2013 que o Brasil perdeu o bonde da História de vez. 2013 foi um ponto de virada, a coisa toda era para ter ido para o lado certo ali. Mas, nossa, vidraças, nossa, mascarados. Buá.
Mas o que quero dizer com isso tudo é que esse bonde partiu. Não adianta culpar ninguém e ficar nesse binarismo de dedos apontados (tortos) pra lá e pra cá. Estamos todos fudidos juntos agora. E aí?

July 12, 2017 at 08:19PM

Quando algum político brasileiro fala em modernização, pode esperar um retrocesso de três décadas ou mais.