RIP Elmore Leonard

leonard

Elmore Leonard, apesar do “more” no pré-nome, sempre se agarrava à ideia de que menos é mais. Avesso a descrições, compensou esta assumida deficiência tornando-se um verdadeiro mestre dos diálogos. São dele as melhores tiradas daquele que é, pessoalmente e de longe, o melhor filme de Tarantino: Jackie Brown. Também são dele as infames e deliciosas frases de personagens (tá, é um clichê, mas aqui o adjetivo vale) inesquecíveis como o Boyd Crowder do conto “Fire in the Hole”, que mais tarde foi estendido e adaptado para uma série de TV, a bem-sucedida (e ótima) Justified
Ainda que tenha influenciado um número incontável de autores e roteiristas, foi apenas há pouco tempo que a força de Leonard tornou-se reconhecida, após ter ganho o National Book Award, em 2012. Um dos mais importantes autores das últimas décadas, ele nos deixa aos 87 anos. Mas fica um belo rol de histórias e, mais importante, uma renovação do senso de imediatismo, traduzido perversamente por alguns dos melhores diálogos escritos nas últimas décadas. Leonard, mestre da objetividade, cuja importância teve que ser explicada pelo cinema e pela TV até que os literatos se dessem conta da obviedade de seu talento, deixa em sua partida um estranho mas calmo vazio. Como o sumiço de uma testemunha importante, mas que conseguiu plantar provas antes de desaparecer. 
Posted in Literatura.

Alex Mandarino