Globber

Às vezes penso em transformar este Glob num glob fechado, não disponível para o público. Dentro dessa redoma blasé, o Glob viraria um mix entre um grimoire e um livro de sonhos molhados, elo perdido entre o sexo inca e a saudade soda cáustica.

Tssssss.

Mas não seria justo com os sete leitores que ainda acompanham essa trajetória trôpega de malabares gráficos, então só digo isso: desci para comprar chicletes agora por volta da meia-noite, já que os magníficos Trident sem açúcar são o pilar da minha abstinência tabagista deste mais de um mês sem fumar (sim, parei, após dezesseis anos de escravidão á Phillip Morris, à Souza Cruz e à estética naif do Zippo/John Constantine/Marlene Dietrich/Phillip Marlowe). Enquanto eu andava pelo meu derrubado bairro no início da madrugada, senti a cidade falando comigo. Não, cala a boca. É sério. Me senti “parte” dela.

Olhei para o céu e a Lua não estava em lugar algum. Que Hécate a guarde bem essa noite.

(E toca Planet Earth, Duran Duran, enquanto escrevo isso. Can you hear me nooooooooooww? This is planet Earth).

Posted in Pessoal and tagged , , .

Alex Mandarino

2 Comments

  1. Ele usa “tóchico”, Ratinho!

    Ele usa “tóchico”!

    Manda, além de achar que você é uma I.A., agora também acho que foi programada pelo Rick Veitch.Posted by Massula at 1:00 Thursday November 7, 2005

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *