"Depois de tantos minutos de linhas borradas, roncos de motores, explosões e tiros, o silêncio parecia um convidado indesejável, o ator errado na peça errada. Jack, o Carro, havia parado nosso automóvel de fuga bem no meio da estrada e descido. Abro a porta e desço também. Ele está parado, imóvel, com os braços pousados sobre o topo da cabeça, observando uma fogueira que subia por vários metros, emitindo uma fumaça negra que fedia a gasolina.
Foi quando escutei o que esperava não escutar. Roncos de motores. Por entre as línguas de fogo e a fumaça, vi que mais jipes se aproximavam.
— Jack, temos que sair daqui! Jack!
Ele baixou os braços, olhou para trás e me encarou com um olhar vazio.
— Sim… Sair daqui. Venha, vamos.
Andou sem se apressar até o Venom e entrou. Assim que tomei meu lugar no banco do carona, vi pelo retrovisor do meu lado que pelo menos cinco jipes estavam chegando. Notei brilhos e reflexos estranhos no espelho, que continuaram presentes quando olhei para o céu. O que era aquilo?".
----- Trecho do romance Guerras do Tarot, de Alex Mandarino, em breve pela AVEC Editora.
‪#‎guerrasdotarot‬

12985512_231219697236102_8592135972704365712_n-1

Posted in Literatura and tagged .

Alex Mandarino

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *